quinta-feira, 26 de abril de 2018

Levei um bolo, mas fiz um café e comi!


Amiga vim te contar um segredo.

É muito difícil se livrar da culpa.

Tá vendo essa carinha aí na foto, toda plena e serena.




É foto. É pose. Mas também é conquista.

Há algumas semanas tomei um mega bolo de um crush. Com direito a “manda a localização que já tô indo” e “beijos até daqui a pouco”. E o cara nunca chegou. Nem sequer mandou uma msg dando/inventando uma desculpa. Não me mandou nem a merda, como se diz por aí.

E por que eu tô contando isso pra vocês? O que isso tem a ver com a foto?

Tirei essa foto alguns dias depois do ocorrido, por que depois de muitos anos eu não sofri por isso.

E como tenho visto e ouvido cada vez mais minas reclamando e postando lamentos sobre os comportamentos escrotos de machos eu resolvi dar esse depoimento.
(principalmente minhas alunas e ex-alunas, adolescentes)

Vou usar o meu exemplo pra explicar.

Dei uns beijos num preto bem delícia no carnaval. Fiz um corre louco pra conseguir o número dele.

Coisa mais querida no whats. Trocamos várias ideias. Tudo fluindo na maior paz.

Eu, como gosto de ao vivo, dou um jeito de convidar pra sair. O preto topa de cara e parece empolgado com a ideia.

Bingo! Tamo grande!

O dia se aproxima, várias mensagens e altos papos. Chega o dia. Vamo? Vamo!

E ele não apareceu. Simplesmente disse “Tô indo” e nunca chegou.

Qualquer mulher que esteja lendo esse relato está nesse momento quase que automaticamente pensando “que merda que ELA fez.”

Sim, você pode ser a mulher mais empoderada do mundo, a filha da Djamila Ribeiro e saber de cor a Simone de Beauvoir: a primeira reação é se sentir culpada.

Somos educadas para nos culpar pelo comportamento alheio. E se o alheio for do sexo oposto, somos convencidas de que esse comportamento, principalmente se for negativo, errado, escroto mesmo, deve ser por que nós falhamos em algum ponto.

E isso nos massacra.

Essas “aulas” começam com coisas simples, tipo “Fulaninho puxou teu cabelo por que gosta de ti” na pré-escola até o clássico “Tu é mulher demais pra mim” do namorado quando resolveu acabar com o relacionamento.

A culpa é sempre nossa. Ninguém chama o fulaninho e diz pra ele “Não pode puxar o cabelo da colega”.

Por isso fiquei feliz quando tomei um bolo, e mesmo tendo o pensamento de culpa automático (por que não estou numa bolha e vivo nesse mundinho de meu deus) prevaleceu na minha mente o seguinte pensamento:

“Putz, até queria, mas ele não quis.”

Diferença pouca né? Mas perceba o pulo do gato: ELE NÃO QUIS.

Vamos seguir esse raciocínio: ele não quis, logo, problema é dele.

TACA FOGO NO PAVIO E SOLTA OS FOGOS GENTYYYY!

Levou algumas décadas pra esse pensamento prevalecer na minha vida. Que eu me recorde é a primeira vez que isso acontece sem que nenhuma amiga ou minha mãe diga isso pra mim. E é mágico! Sinto como se tivesse conseguido finalmente resolver uma equação de trigonometria sozinha!

O cara deixou de ser um cretino?
Não.

Essa é a minha conquista: perceber que a reponsabilidade por uma atitude cretina é de quem tomou a dita atitude!! Ele tomou a decisão de não vir e foi cretino o suficiente para nem sequer dar uma explicação E ISSO NÃO TEM NADA A VER COM A MINHA PESSOA, isso fala mais sobre ele do que sobre mim. Eu continuo sendo uma pessoa gentil, divertida e disponível. E ele? Pode até que não seja um completo cretino, mas agiu de forma cretina e por mim assim será tratado.

Parece fácil né???

MAS NÃO É!

E aqui está a grande moral da coisa.
(E a razão de eu escrever isso aqui e no FB, onde tenho muitas alunas e ex-alunas, e um bando de gurias bem novas que me leem e eu leio.)
Escrevo isso aqui pra você que acha que tudo isso que passei e essa serenidade toda na descrição são fáceis. Que eu nasci esse mulherão da porra prontinha. Eu quero destacar que NÃO e que tudo bem em não ser.

O massacre da cultura machista e misógina é enorme, bem articulado e está em todos os lugares. Eu levei mais de 20 anos pra poder conquistar essa liberdade. Então tenha amor e paciência com você mesma.

Sofra com as atitudes escrotas dos machos, não tem problema nisso não. Mas tente manter em mente que são atitudes DELES. O cara foi escroto, cretino e etc e tu tem todo o direito de dizer que a culpa foi dele sem se culpar. A tua cabeça, a tia-avó, a vizinha e algumas amigas vão te dizer que não, que ele era um anjo de candura e tu fez alguma coisa pra estragar. Até as comédias românticas reforçam isso!

Chora e faz o mantra:
“Atitudes cretinas são de responsabilidade dos cretinos que as executam”
“Atitudes cretinas são de responsabilidade dos cretinos que as executam”
“Atitudes cretinas são de responsabilidade dos cretinos que as executam”
“Atitudes cretinas são de responsabilidade dos cretinos que as executam”

Talvez demore (eu espero ardentemente que não), mas tu vai perceber que essa é uma grande verdade e vai se sentir feliz, realizada e forte.

Pra finalizar: não estou com isso dizendo que machos escrotos e cretinos devem ser perdoados. Parece óbvio pra você? Pula pro beijos e tchau.

Não é tão óbvio? Veja você fazendo exatamente o que estou alertando: não culpe a mulher pelo comportamento do macho. Escrevi mil caracteres pra falar de amor por nós mesmas e formas de auto-cuidado e tu só leu as partes que se refere aos caras? Lê de novo e se cuide, tá?

Beijos e tchau Povo!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Já achei que....